quinta-feira, 29 de julho de 2010

Em busca da libertação


Uma amiga me mandou o endereço de um site muito interessante sobre poesia - http://literaturadecamara.sites.uol.com.br/. Lá encontrei este poema. Cabe bem a quem está em busca da libertação de tantas coisas, aos quais me incluo, pobres escravos que ainda somos.

Gilvan Almeida


ESCUTA

Se pensas que não tens fuga ou saída,
permite que meus versos te encorajem.
Escuta quem já fez essa viagem,
e toma já as rédeas da tua vida.

Reclamas da existência de criado,
mas dela não escapas por temor.
Tu és o teu senhor e o teu feitor:
és tu quem te mantém escravizado.

Preferes a anonímia da manada
a erguer tua cabeça em desafio.
Por como te conduzes te avalio:
ao ser mais um apenas, tu és nada.

Tamanho é teu pavor de andar sozinho
que renovas teus grilhões a cada dia:
se pensas, atrevido, em alforria,
castigas-te a ti mesmo em pelourinho.

A algema que te impões te faz covarde.
Acorda, Zé Ninguém, que já é tarde!
Te afasta do rebanho de que és parte,
ou pasta em servidão até o abate.

Marco Túlio de Alencastro

3 comentários:

Francimar disse...

Gostei de algumas frases. Também entendo que sou meu senhor e meu feitor. Isso é forte, mas nem todos vêem assim. Eu fico imaginando aqules pessoas que ainda têm um feitor externo também para piorar a situação.

Faide disse...

Gilvan,
Muito lindo mesmo...amei...quantas verdades que nos são familiares,porém muitas vezes deixadas de lado,ditas com a ousadia e a firmeza que com certeza nos desafiam a olhar quem somos com mais confiança...

Paz e Luz...

Isaac Melo disse...

Gilvan,
é realmente para se pensar!

Um forte abraço!