sábado, 20 de junho de 2009

Matéria prima 1

Alguém há de perguntar: por que em vez das alegrias da vida ele escreve sobre tristezas, dramas existenciais, dores, separações e sofrimentos? Explico: Minha matéria prima é o sentimento e as relações humanas, a vida comum e cotidiana das pessoas. Escrevo sobre o que sinto, o que ouço e vejo no olhar, nos gestos e nas palavras das pessoas, e o que mais encontro são as tristezas e os sofrimentos, construindo a dura existência da maioria. Só é olharmos com mais atenção para o nosso interior e ao nosso redor que veremos que a vida não é um mar de rosas. Com muita luta podemos viver momentos de alegria e de tranqüilidade, mas grande parte do tempo estamos mesmo é vivenciando os dramas e os conflitos da vida, sejam os nossos, sejam os dos outros. Nem por isso entrego-me ao pessimismo e ao desânimo, e persisto na peleja de ser feliz, apesar das dores. E aqui está uma das chaves para se viver bem: ser feliz apesar das dores, e isso é o que considero um dos grandes segredos de uma vida bem vivida, pois não dá para querer ser feliz só quando não tiver mais nenhum problema. Se assim pensarmos é sujeito nunca sermos. É preciso o cultivo da sábia entrega do coração para o momento presente, e viver intensamente cada fagulha de felicidade que nos aparece.

Gilvan Almeida

3 comentários:

Silvana disse...

Gilvan ! Que bom ler suas palavras, sempre tão precisas e claras,,,,me fazendo lembrar que não basta a gente pelejar em resolver os problemas que nos afligem; a gente tem que praticar a arte de se alegrar e levar alegrias onde passar,e ter a santa paciencia, de saber que tudo passa....o bom e o que não é bom. Abraço, Silvana.

Silvana disse...

Gilvan, encontrei esta pérola e compartilho;

Dança coração,

dança com alegria.

As notas do amor enchem de alegria

os dias e as noites.

Toda a melodia segue o mesmo ritmo.

Tudo dança: as montanhas, a praia, o mar.

O universo humano dança

com risos e lágrimas ao mesmo tempo.

Meu coração dança, recriando-se em meu Criador

e meu Criador me olha feliz.

( Kabir ).

outro abraço!!Silvana

Faide disse...

Gilvan,será que é nosso desejo sempre buscar o impossível?e enquanto não realizado,sentimos a insatisfaçãó da busca(e a confundimos com infelicidade),enquanto buscamos outros caminhos?
Vivemos em um contínuo estado de prazer e desprazer, mesmo quando temos consciência de que tudo que deve ser nosso,será nosso?! e que ser feliz não depende disso?então nossa própia condição humana complica a conquista da felicidade,a qual só acontece quando aprendemos a conhecer melhor a nós mesmos e o mundo em que vivemos.Em vez da busca obssessiva da felicidade,devemos sustentar uma "certa alegria de viver" no nosso eu,que possa servir também para animar o próximo.
Amei como sempre.
bjo
Faide