domingo, 25 de maio de 2008

A mentira

Dentro de meus estudos de auto-conhecimento, de vez em quando estou refletindo sobre esta frase: “...mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira...” (Dado Villa-Lobos, Renato Russo e Renato Rocha). Sei que ainda não sou plenamente verdadeiro comigo mesmo, que já enfrentei e superei muitos conflitos íntimos, mas quais são os pontos em que ainda continuo me enganando? Onde fujo do encontro com minha essência, por falta de coragem para transcender o medo de sair dos meus quintais e ganhar as ruas? Eu quero a verdade, mas até que ponto eu tenho maturidade e equilíbrio para agüentá-la de pé, sem correr, sem me fazer de vítima, sem ficar deprimido e sem colocar a culpa nos outros? Por que evito encarar os sofrimentos mais profundos, aquelas dores mais angustiantes, e continuo mentindo para mim que está tudo bem? Por que ainda faço auto-sabotagem em meu crescimento, inventando desculpas para não sair do lugar e definir determinados rumos da minha vida? Aí entendo um pouco porque é a pior mentira essa auto-enganação: ninguém consegue enganar para sempre a própria consciência, e, se nós permitirmos, ela mostra de forma clara quem nós somos e o que devemos fazer para ter mais paz.
Gilvan Almeida

Um comentário:

Voz de Tarauacá disse...

Gilvan!
Ótima idéia essa de compartilhar conosco seus conhecimentos; idéias; experiências, etc. Vou aproveitar agora para receber essas "pitadas" de conhecimento e bem-estar que você nos proporciona virtualmente.
Um forte abraço.
Jean Freire