sábado, 31 de maio de 2008

A caridade

Quando perceberes a bondade se aninhar em teu coração e surgir o desejo de servir, atendas, pois é a caridade chegando. Neste sagrado momento de sublimar o ego, compartilha os teus bens, materiais e espirituais, conduzindo esta luz sagrada que Deus nos envia, na intenção de unir os seus filhos. Se dás o que te sobra é um belo gesto. Se dás o que te pode faltar é mais belo ainda. Muitas vezes encontrarás carentes de pão, mas a carência é muito mais ampla. Com atenção e o coração desarmado perceberás que há carentes até de um olhar carinhoso, de uma mão amiga, de um ombro onde possam chorar as dores, de uma palavra que lhes traga a paz necessária.
Gilvan Almeida

2 comentários:

Adriana Pachêco disse...

Vida moderna, corrida louca e que tantas vezes, encontra o nada em sua linha de chegada.
Usamos antolhos pra não nos distrairmos no caminho, para que não percamos tempo, prazos, bens, status...
Nos defendemos atrás de uma "sensibilidade de pedra de calçamento" e acabamos por perder um dos maiores presentes da vida - a partilha!
Quando o outro nos chega, é fundamental irmos também, inteiros ao seu encontro.
É simples e até bem clichê:
"1 + 1 é sempre mais que 2".

Boa semana!

Anônimo disse...

Este texto poético é seu? Chorei de emoção, mais uma vez...parabéns! Kátia Storch Moutinho