domingo, 14 de setembro de 2008

11. Filmes que assisti no Festival de Cinema de Gramado


Votos, comentários e indicações

Logo que se confirmou minha ida ao Festival a disposição para ver muitos filmes era grande. Fiquei um pouco decepcionado quando soube que seriam só onze filmes. Consegui ver quinze nos seis dias da Mostra Competitiva:

1. Dias e noites: Filme de abertura do Festival, não participante da mostra competitiva.

Elenco: Antônio Calloni, José de Abreu, Naura Scheneider e outros.

Sinopse: Atravessando três décadas, a história mostra a trajetória de uma mulher que, ao casar com um rico fazendeiro, enfrenta uma realidade conjugal quase insustentável. Clotilde foi uma mulher que viveu à frente de sua época e não se conformou com o tratamento que recebia do marido. Sofrendo agressões físicas e morais, ela sai de casa, tornando-se uma mulher “desquitada”, mal vista pela sociedade. Após perder todos seus direitos e a guarda dos filhos, Clô inicia uma longa luta para tentar recuperá-los, enfrentando e ajudando a quebrar toda a lógica de uma época em que a mulher era subjugada socialmente

2. Nome próprio

Elenco:Juliano Cazarré, Leandra Leal e outros

Sinopse: “Nome próprio” conta a história de uma jovem mulher que dedica a vida à sua paixão, escrever. Camila é intensa, complexa e corajosa. Para ela, o que interessa é construir uma trajetória como ato de afirmação. Sua vida é sua narrativa. Construir uma narrativa digna o suficiente para que escreva sobre ela. “Nome próprio” é um filme sobre a paixão de Camila. De sua busca por redenção. Quer a literatura como ato de revelação. Para tal, cria vínculos. Carente, os destrói. Por excesso. Por apego. Por paixão. “Nome próprio” é o olhar sobre uma personagem feminina que encara abismos e, disso, retira os amparos que necessita para existir. Para Camila, a vida floresce das cicatrizes de seu processo de entrega absoluta e vertiginosa.

3. Por sus propios ojos

Elenco: Ana Carabajal, Luisa Nuñez, Mara Santucho, Maximiliano Gallo e outros.

Sinopse: Uma estudante de cinema, Alicia, tenta fazer um documentário sobre um tema nada fácil: as mulheres dos presos. Em geral as mulheres resistem à filmagem por temor à condenação social. No meio dessa dificuldade, Alicia conhece Elsa, que tem um filho preso. Entre elas se estabelece um vínculo onde tudo flui como Alicia quer.

4. Vingança

Elenco: Erom Cordeiro, Branca Messina, José de Abreu e outros.

Sinopse: Em uma pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul, Camila, filha de um rico fazendeiro, é violentada e abandonada na beira de um rio. Meses depois, Miguel, um rapaz misterioso e solitário, chega ao Rio de Janeiro e passa a perseguir uma jovem carioca, Carol, com quem inicia um estranho relacionamento. Carol tem um irmão, Bruno, que mora na Austrália e que acabara de chegar ao Rio para passar alguns dias. Juntos eles vão a uma festa, onde Sazão, amigo de Bruno e Carol, é golpeado e quase morto. Sazão não identifica o agressor. Na mesma noite da festa, Camila chega ao Rio de Janeiro e faz revelações que conduzem a história para um novo e inesperado caminho.

5. Mãe de gay – curta metragem

Sinopse: A descoberta da posição sexual de um filho pode trazer surpresas. As reações de uma mãe ao descobrir que seu filho é gay e o modo como encara a situação variam muito. O documentário aborda as relações e conflitos de mães de filhos gays na sociedade atual. “Mãe de Gay” mostra a relação familiar de homossexuais, dando destaque para a mãe que é considerada o alicerce de toda família.

6. Mindelo – atrás de horizonte

Sinopse: O documentário “Mindelo – atrás de horizonte” é o retrato de uma pequena cidade-porto de Cabo Verde, situada no meio do Oceano Atlântico. A câmara segue a vida contemporânea da ilha procurando a cultura crioula de seu povo. Sem comentários, sem entrevistas, sem narração...

7. Netto e o domador de cavalos

Elenco: Werner Schünemann, Tarcísio Filho, Fernanda Carvalho Leite e outros.

Sinopse: “Netto e o domador de cavalos” reconta a mais popular lenda rio-grandense – O negrinho do pastoreio. No início da Guerra dos Farrapos, o General Netto descobre que um antigo parceiro das guerras do sul, o Sargento Torres, está preso. Para libertá-lo, busca a ajuda de escravos rebelados, entre eles, o negrinho, o melhor ginete da fronteira.

8. A encomenda do bicho medonho – curta metragem

Sinopse: David Ferreira, também conhecido como David Barbeiro, é um desses tipos que despertam a curiosidade e a admiração de quem tem a oportunidade de conhecer suas histórias e engenhocas intrigantes. Ainda menino, sonhou com “um bicho grande, feio e medonho” que o mandou construir a primeira das encomendas que receberia nos anos seguintes. A partir daí, vieram mais e mais tarefas, e David foi dando conta de todas.

9. O grão

Elenco: Leuda Bandeira, Nanego Lira e outros.

Sinopse: A velha Perpétua, sentindo a presença da morte, resolve preparar Zeca, seu querido neto, para a separação que se aproxima, contando-lhe a história de um rei e uma rainha, muito ricos e poderosos, que perderam o único filho e que querem trazê-lo de volta à vida. Enquanto Perpétua conta a história, Damião e Josefa trabalham para sustentar a família e preparar o casamento da filha Fátima. Ao final, a história contada por Perpétua e o destino daquela família se cruzam.

10. Perro come perro

Elenco: Marlon Moreno, Oscar Borda e outros.

Sinopse: No mundo do crime da Colômbia há uma lei não oficial. Quando Victor e Eusébio, dois criminosos que trabalham extorquindo dinheiro, desrespeitam as regras, inconscientemente assinam suas próprias sentenças de morte.

11. Pachamama

Sinopse: O filme “Pachamama” título que significa para os indígenas andinos “mãe-terra” e designa a deusa agrária dos camponeses, narra a viagem de um cineasta, o próprio diretor, através da floresta brasileira em direção ao Peru e à Bolívia, onde encontra a realidade de povos historicamente excluídos do processo político de seus países e que pela primeira vez na história buscam uma participação efetiva na construção de seu próprio destino. É uma pequena odisséia de trinta dias pela realidade amazônica e andina, que revela um continente em ebulição, perpassado pela cultura milenar andina, que irradia pelo continente sul-americano substância primordial na constituição de novos paradigmas políticos.

12. A festa da menina morta:

Elenco: Daniel de Oliveira, Jackson Antunes, Juliano Cazarré, Cássia Kiss, Dira Paes, Paulo José (participação especial) e outros.

Sinopse: A Festa da Menina Morta conta a história de Santinho, alçado à condição de líder espiritual numa comunidade ribeirinha do alto Amazonas, a partir de um “milagre” realizado por ele após o suicídio de sua própria mãe. O filme procura ser o retrato íntimo dos envolvidos nesta seita e da capacidade infinita do homem em “criar” fé e buscar um sentido diante de seu horror à morte.

13. O mistério da estrada de Sintra

Elenco: Antônio Pedro Cerdeira, Bruna di Túlio e outros.

Sinopse: Verão de 1870. Dois escritores, Eça e Ramalho. Ramalho é raptado. O desafio está lançado. Escrever um policial a quatro mãos para O diário de Notícias. Será que a história que criaram como ficção é baseada num caso real? Esta é a pergunta que sustenta o conflito entre estes dois escritores, e os afasta num duelo quase mortal entre Sintra e Malta. O folhetim avança, e com ele ameaças, duelos, sexo e intrigas. Lisboa está em alvoroço. Todos se tomam pelo conde atraiçoado. Os crimes sucedem-se numa história onde o amor é mais forte que a tradição, a intriga escapa às evidências e tudo corre freneticamente, como num jogo. Baseado na obra de Eça de Queiroz, O mistério da estrada de Sintra desafia todas as convenções numa acutilante crítica de costumes à romântica sociedade portuguesa do século.

14. Cochochi

Elenco: Luis Antônio Lerma torres, Evaristo Corpus Lerma torres e outros.

Sinopse: Evaristo e Tony, irmãos indígenas do noroeste do México têm apenas o ensino fundamental concluído quando recebem uma tarefa do seu avô: entregar medicamento no outro extremo da Sierra Tarahumara. Tony e Evaristo, temendo a estrada pela frente, decidem pegar o cavalo do avô e partem em uma viagem mais longa do que o esperado.

15. Juventude

Elenco: Paulo José, domingos de Oliveira, Aderbal Freire Filho e outros.

Sinopse: David, Antônio e Ulisses foram amigos a vida toda. Desde sua reunião, ainda adolescentes, para a representação colegial de “A ceia dos cardeais” de Júlio Dantas, o clássico português. Passados 50 anos reúnem-se uma noite para comemorar seu encontro e efetuarem um balanço das suas vidas e, particularmente, seus amores. “Juventude”, título do filme, trata-se de um estudo da psicologia e problemática dos homens entre 65 e 70 anos. O trabalho conteve em sua gênese a intenção de resultar num filme belo e profundo, além de engraçado, que estude sem medo e francamente a situação psicológica e filosófica dos “Cardeais”. Homens inteiros, ainda sem os beneplácitos da senilidade, no entanto próximos e diante de seu próprio fim.

Comentários:

A mostra competitiva aconteceu entre os dias 10 e 15, sendo um filme na abertura e dois (um nacional e um estrangeiro) nas noites subseqüentes. Durante o dia participava dos debates sobre os filmes da noite anterior, reuniões, passeios na cidade e em duas tardes consegui ver dois curtas e um longa metragem.
Como disse anteriormente, o Júri Popular avaliava os filmes somente pelo aspecto afetivo, mas não me concentrei somente neste critério. Já não consigo ver um filme sem olhar e avaliar trilha sonora, direção, edição, interpretação dos atores, fotografia, figurino. Para mim, cinema não é só diversão e pipoca. Antes de ver qualquer filme pergunto-me: com base na sinopse, opinião de amigos, leitura de críticas especializadas e outras notícias da mídia, tenho real interesse e a necessária disposição para gastar duas horas do meu tempo para ver este filme? Acho que vai me trazer algo de útil, que possa contribuir para o meu crescimento? Com base nestas perguntas já descarto grande parte dos filmes atuais, xaropadas totalmente previsíveis, comédias sem graça, romances pueris, violências e terrores gratuitos. Alguns diretores e atores já me ganharam a credibilidade e vejo todos os filmes que encontro deles. Dos diretores destaco Akira Kurosawa, Fellini, Ingmar Bergman, Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, Pedro Almodóvar, Cacá Diegues, Sidney Lumet, Costa-Gravas, Fernando Meirelles, Ettore Scolla e outros. Dentre os atores e atrizes acompanho os filmes de Meryl Streep, Nicole Kidman, Jack Nicholson, Morgan Freeman, Dustin Hoffmann, Al Pacino, Johnny Deep, Robin Willians, Anthony Hopkins, Cate Blanchett, Daniel Day-Lewis, entre outros.
Após um filme procuro ver se a história me chamou e me prendeu a atenção; se o filme tocou o meu coração; se a interpretação dos atores e a direção me convenceram, e fizeram com que eu conseguisse realmente acreditar e entrar de cabeça e coração no filme. Nada mais frustrante do que ver que os atores estão somente representando, sem estar vivendo o personagem (sinto-me enganado); do que perceber falhas na continuidade e mudança das cenas, seja em cenários como no figurino, na maquiagem. Acho que estão querendo me fazer de bobo quando vejo o(a) ator/atriz carregando mala vazia em aeroportos ou boneca em lugar de um bebê.
Por esta minha forma de ver o cinema, considerei fracos grande parte dos filmes que vi. Gostei do primeiro filme da mostra competitiva, Nome próprio, pelo enredo atual (internet, cidade grande e relacionamento humano), pela direção que trabalhou de forma pouco usual com a iluminação e os ângulos das câmeras, e, especialmente, pela bela e forte interpretação da atriz Leandra Leal. Já neste dia vi que dificilmente ela perderia o troféu de melhor atriz, o que veio a se confirmar. Achei totalmente insossos, sem brilho e com pouca qualidade interpretativa e artística em geral os filmes Netto e o domador de cavalos, Vingança e Juventude. Todos estes com bons argumentos, atores e diretores, mas o conjunto do trabalho não me convenceu, não me tocou, especialmente Juventude, que me gerou uma boa expectativa quando li a sinopse e encontrei algumas semelhanças com o filme canadense As invasões bárbaras, Oscar de melhor filme estrangeiro em 2004, que tenho em minha lista de melhores filmes que já vi, onde velhos amigos se reencontram, após saber que um deles está prestes a morrer, e relembram o passado. Fiquei decepcionado, achando que perderam a oportunidade de fazer um grande filme, e não entendi o entusiasmo da platéia após a exibição e depois a quantidade de prêmios recebidos. Pareceu-me que os prêmios foram mais voltados a homenagens pessoais do que pela qualidade artística da obra.
Quanto ao filme Pachamama, que também concorreu, não consegui colocá-lo no mesmo patamar dos outros, porque é um documentário e os outros ficção. O mesmo aconteceu com Mindelo – atrás de horizonte, que também é um documentário, na mostra de filmes estrangeiros. Ambos são bons documentários e deveriam concorrer em uma categoria própria e não junto com ficção.
Chegou a última noite da mostra e meu voto continuava com o filme Nome próprio, quando foi exibido o filme A festa da menina morta, que me conquistou a mente, o coração e o voto de melhor filme, porque encontrei nele uma completude que atendeu melhor que Nome próprio meus critérios do que deve ter um bom filme, especialmente pela competente abordagem de temas como religiosidade messiânica, incesto, meio ambiente, espiritualidade, transtorno mental, cultura amazônica, crenças populares, além de música e fotografia na medida certa.
Na mostra de filmes estrangeiros gostei muito do argentino Por sus propios ojos e do colombiano Perro come perro, dois filmes com enredos, interpretações e direções consistentes, que abordam com dramaticidade equilibrada a violência em nossa América Latina, mostrando algo que não soa estranho à realidade brasileira. O mexicano Cochochi e o luso-brasileiro O mistério da estrada de Sintra têm uma qualidade inferior, mas considerei-os melhores que os brasileiros Netto e o domador de cavalos, Vingança e Juventude, e que o filme Dias e Noites, que não concorreu na mostra competitiva. Votei em Perro come perro.
De todos os filmes que vi em Gramado o que mais me tocou o sentimento foi o nordestino “O grão” . Caso ele estivesse na mostra competitiva teria ganho meu voto de melhor filme. Acredito que muito tenha influenciado em minha receptividade a ele o ambiente em que o filme se passa – o nordeste árido e pobre, a vida de pessoas simples e trabalhadoras, realidade que imagino muito semelhante à que meus pais viveram lá antes de migrarem ainda jovens com suas famílias para o norte, na segunda guerra mundial. Outro aspecto que valorizei foi a inteligência e a sensibilidade do diretor em transpor uma lenda oriental para dentro da realidade sofrida do nordeste brasileiro, fazendo um casamento que considerei perfeito, como também a magistral interpretação, no papel da avó, feita pela atriz Leuda Bandeira. Veja trecho do filme: http://mais.uol.com.br/view/a56q6zv70hwb/18-cine-ceara--o-grao-040264DCC903C6?types=A&
Também gostei muito do curta “Mãe de gay”, direção de Carlos Xarão, colega do Júri Popular, que ganhou dois prêmios Galgo de ouro na categoria Vídeo Universitário Gaúcho, como melhor Documentário e prêmio do Júri Popular. De forma simples, direta e profunda o filme mostra as vítimas do preconceito e da discriminação social contra homossexuais, revelando o sentimento sob a pele tantas vezes massacrada de gays e suas mães. Veja o filme no site http://www.metodistadosul.edu.br/sites/universoipa/webjornalismo/geral/gramado/mae.html
Meus votos em A festa da menina morta e em Perro come perro coincidiram com os votos do Júri da crítica.

Em resumo: Dos filmes que vi no Festival indico Nome próprio, A festa da menina morta, Por sus propios ojos, Perro come perro e O grão, além do curta Mãe de gay.

Observação: As sinopses dos filmes foram transcritas da revista oficial do Festival, sendo que a do filme Mãe de Gay foi retirada do site http://www.metodistadosul.edu.br/

Um comentário:

Faide Veiga disse...

Gilvan,eu e Hugo assistimos no canal Brasil a festa de entrega dos prêmios do Festival de Cinema de Gramado,tendo como principal incentivo,a sua presença no júri popular,porque na verdade,apesar de cinéfila ñ achava que haveria filmes de meu interesse,sempre achei que o cinema no Brasil precisa enriquecer no conteúdo e produção,temos sim grandes filmes,diretores e atores com grande competência só que ousar mais sempre é bom.Mas os filmes que concorreram me surpreenderam e vou assistí-los.Quero começar com "A festa da menina morta" " O mistério da estrada de Sintra" e "Nome própio".ABS.